Polícia Civil apreende cinco veículos de enfluencer obtidos por meio de “Rifas Digitais” em Palmas

A Polícia Civil do Estado do Tocantins, por intermédio da 1ª Delegacia de Palmas e da 2ª Delegacia Especializada de Repressão às Infrações de Menor Potencial Ofensivo (Deimpo), encerrou nesta sexta-feira, 24, a 1ª fase da Operação “Tá no Grale”, que apura a movimentação milionária de valores obtidos ilicitamente por meio de “Rifas Digitais”.

A modalidade criminosa consiste na realização de sorteios não autorizados pelos órgãos competentes, divulgando nas redes sociais dos envolvidos e captando recursos dos participantes de boa-fé. Os investigados se valeram do elevado número de seguidores que possuem nas redes sociais, para promover os sorteios.

Em um dos sorteios, o veículo modelo saveiro avaliado em R$ 90 mil permitiu a arrecadação de R$ 499 mil (quatrocentos e noventa e nove mil reais), um lucro de R$ 409 mil (quatrocentos e nove mil reais) em um período de um mês.

No período investigado, de maio de 2022 à fevereiro deste ano, os três investigados arrecadaram ilicitamente R$ 4.581.316,54 (quatro milhões, quinhentos e oitenta e um mil, trezentos e dezesseis reais e cinquenta e quatro centavos).

Nesse período, os envolvidos adquiriram diversos veículos de luxo com o dinheiro proveniente da prática criminosa. Foram apreendidos até o momento quatro carros e uma moto, com avaliação estimada em R$ 640 mil e bloqueio bancário de valores de R$ 635 mil. Há mais um veículo avaliado em R$ 150 mil que está em poder de um dos investigados, que está fora da cidade, mas por meio de seu advogado, comprometeu-se a fazer a entrega espontânea do bem. Deste modo, perfazendo o montante de R$ 1.425.000 milhão em indisponibilidade.

Durante a operação, chamou a atenção dos policiais que do total de trinta e seis sorteios realizados pelos investigados, doze não constam os números sorteados e nem ganhador, sendo a prática ilícita, pois não gera direito à exigência do participante, causando desestabilidade social.

Contravenção
Segundo o Delegado de Polícia Gustavo Henrique da Silva Andrade, nenhum dos investigados tinha autorização da Secretaria de Avaliação, Planejamento, Energia e Loteria, do Ministério da Economia (Secap) para promover ou patrocinar sorteios por meio da referida plataforma digital. “A prática enquadra-se, inicialmente, no tipo contravencional intitulado ‘loteria não autorizada’, previsto no art. 51 da Lei das Contravenções Penais, sujeitando o seu autor a uma pena pecuniária”, disse.

O delegado Gustavo Henrique ressaltou a importância de a população denunciar esse tipo de prática. “As pessoas devem sempre verificar a regularidade dos sorteios em que participam e denunciar atividades suspeitas às autoridades competentes, evitando ser vítima de crimes como esse”.

A Operação “Tá no Grale” contou com a participação de policiais civis da 1ª Delegacia de Palmas e 2ª DEIMPO, além do apoio de equipes de outras delegacias especializadas da Polícia Civil.

história anterior

Bebê nasce no chão de banheiro do hospital público de Gurupi após demora no atendimento

próxima história

Maisa entrevista cantora Billie Eilish e celebra: ‘Tão bom conversar com você’

Mais recente de Featured Posts